30/12/14

Loa - VN

Presépio tradicional  da Biblioteca VN  - 2011

O Menino Jesus com triguinho nos pratos dos meus pais

Loa


Meu Menino Jesus dos triguinhos no prato,

Não enxugues a tua lágrima de vidro,

Não apagues a tua estrela de prata suspensa no quarto ainda morno,

Não deixes envelhecer os velhos tios de retábulo

Ajoelhados em torno:

Deixa estar as palhinhas urinadas no estábulo,

Que a chuva cheira bem e o pão tufa no forno.

Doira, Menino Jesus, aquele milho amarelo

Que o Joaquim Pacheco secou na escuridão do seu muro,

E manda um navio de nevoeiro

Ao poeta que embarcou à noite no Funchal                               

Deixando o lenço de sua Mãe molhado no último adeus.

Anda, Menino Jesus, e não me queiras mal

Se eu te disser que assim é que te sinto Deus.

Manda o navio de nevoeiro

Pela primeira vaga que vires redonda e rebentada:

Tua mão outra vez a atira contra a noite,

Como se não tivesse batido nessa grande praia parada.

E deixa as minhas faltas à missa,

Esquece os pontos fracos da minha velha teologia,

E o orgulho, a razão, o materialismo passageiro...

Mandes tu pelo mar o navio de nevoeiro!



VITORINO NEMÉSIO