22/03/13

A herança



A Tomasa Meco, in memorian



A minha mãe ensinou-me a bordar:
o dedal no dedo médio,
usar o fio em pequenas meadas,
ensinou-me a fazer o ponto de bainha dupla
e a dispor a loiça de porcelana:
primeiro as bandejas,
depois os pratos e os copos.
A minha avó ensinou-me a engomar:
o lenço de criança dobrava-se
num triângulo, como o de solteira,
só o de cavalheiro se dobrava
em forma de rectângulo.

- Então és filha de boas famílias.
- Não, sou a filha das criadas.



 La manera de recogerse el pelo - Generación blogger, selecção de David González; prólogo de José Ángel Barrueco, Bartleby, Madrid, 2010, p. 211.

A herança



A Tomasa Meco, in memorian



A minha mãe ensinou-me a bordar:
o dedal no dedo médio,
usar o fio em pequenas meadas,
ensinou-me a fazer o ponto de bainha dupla
e a dispor a loiça de porcelana:
primeiro as bandejas,
depois os pratos e os copos.
A minha avó ensinou-me a engomar:
o lenço de criança dobrava-se
num triângulo, como o de solteira,
só o de cavalheiro se dobrava
em forma de rectângulo.

- Então és filha de boas famílias.
- Não, sou a filha das criadas.



 La manera de recogerse el pelo - Generación blogger, selecção de David González; prólogo de José Ángel Barrueco, Bartleby, Madrid, 2010, p. 211.

Ondas de poesia

21 de março, Dia Mundial da Poesia




Momento de poesia dedicado ao MAR.
Alunos  do Ensino Básico e do Ensino Secundário num percurso  diacrónico pelos poetas, pelas palavras em língua portuguesa e francesa onde  música e emoção se juntaram.  Canções ao mar e sobre o mar.
Leituras expressivas ou envergonhadas, vozes sentidas, olhos esbugalhados, ouvidos atentos.Curiosidade aguçada. Sorrisos e contentamento! SC

Início do Recital de Poesia

Grupo de alunos do 8º A


Alunos do 8º A
11º ano
11º Ano
Francisca Dutra - 11º ano
Evocando vários poetas portugueses- 11ºano

Alunos de Francês Específico

 

Daniela Martins 8º A  -  Cantou "Coração de Sereia"


Cantando Dulce Pontes - 11º E

21/03/13

Dia Mundial da Poesia

MAR SONHADOR


Imagem selecionada por Inês Lopes, retirada da Internet

Mar dos meus sonhos,
Que latejas cá dentro,
Sobes e desces sem apoios,
Assim bates nas areias douradas,
E emites lindas melodias.
Mar das profundezas,
Que foges em águas paradas,
Escureces quanto mais
Fundo tu cais,
Deixando passar os dias.
Mar do meu espelho,
Escuro mas brilhante,
Pouco mudas em cada instante.
Se não fosse queijo,
A Lua reluzente…
Mar Sonhador, bem querias,
Querias querer e reviver,
Querias cantar e tecer,
Querias chorar e correr,
Mas quem te irá entender,
Meu grande Mar Sonhador?

                                                              Inês Lopes, aluna  do 8ºA

Dia Mundial da Poesia

MAR SONHADOR


Imagem selecionada por Inês Lopes, retirada da Internet

Mar dos meus sonhos,
Que latejas cá dentro,
Sobes e desces sem apoios,
Assim bates nas areias douradas,
E emites lindas melodias.
Mar das profundezas,
Que foges em águas paradas,
Escureces quanto mais
Fundo tu cais,
Deixando passar os dias.
Mar do meu espelho,
Escuro mas brilhante,
Pouco mudas em cada instante.
Se não fosse queijo,
A Lua reluzente…
Mar Sonhador, bem querias,
Querias querer e reviver,
Querias cantar e tecer,
Querias chorar e correr,
Mas quem te irá entender,
Meu grande Mar Sonhador?

                                                              Inês Lopes, aluna  do 8ºA

20/03/13

Reconciliação Quaresmal

 Dia do Pai  e da Reconciliação Quaresmal


19 de Março 2013-  Dia do Pai / Reconciliação Quaresmal
 
Um ato reflexão e leitura comunitária
Na Biblioteca Escolar  teve lugar, pela primeira vez, uma celebração de Reconciliação Quaresmal, com cerca de vinte e cinco  participantes, envolvendo elementos da  comunidade escolar. Alunos, funcionários e professores uniram-se a este ato de reflexão comunitária ao celebrante Pe Domingues da Graça, professor de E.M.R.C. deste estabelecimento de ensino, cantando cânticos e lendo a passagem bíblica de Mt 6, 1-18, sobre o Pai Nosso, numa evocação ao dia do Pai. Seguiu-se  uma breve homilia, a benção e a absolvição. O celebrante congratulou-se com a comunidade por acolher esta iniciativa, participando como pedras vivas da igreja. Num gesto simbólico foram colocadas peças de um puzzle sobre o altar, relembrando o papel de cada um de nós, ao serviço da comunidade.

Carta ao Mar

 Lajes, 28 de fevereiro de 2013


Meu querido e lindo mar:

Mando-te esta carta para falar de algumas "regras" que devíamos respeitar para começares a ficar mais limpo...
Vou começar então por mencionar algumas coisas lindas que tu tens para falar e comentar...
Tu crias quase metade da nossa alimentação: peixes, mariscos... Tens, no fundo dos teus oceanos, paisagens lindas que qualquer pessoa que veja fica impressionada...
És "via" de comércio, és via de viagens de ilha para ilha, e não só...
Passo agora a falar das tuas vantagens...
És "criador " de animais (vivem animais nas tuas águas e sustentam-se de ti).
Tens paisagens no teu fundo que dão lindas fotos!
Só que, para isso, deveríamos respeitar-te ao máximos, tal como não atirar lixo para dentro de ti, nada de gasolinas, petróleos, óleos...
E é só o que te queria dizer e / ou comunicar...
Adeus, lindo mar, espero que gostes das opiniões que tenho, que escrevi e mesmo da carta no seu todo. A carta foi feita com carinho e emoção...
Adeus lindo mar...
Talvez nos voltemos a encontrar.

Pedro Silva 7ºB / 6514



Imagem selecionada pelo aluno, retirada da Internet



A Poesia já está a chegar!

Dos alunos para a BE


Mar
Será que quando um homem sonha
tu sonhas também?
Será que quando um homem chora
tu choras também?
Será que quando um homem cresce
tu cresces também?
Será que quando um homem envelhece
tu envelheces também?
Será que quando um homem morre
tu  morres também?
E quando um homem nasce
uma gota do teu oceano cresce?

                         Cátia Nunes e Raquel Fagundes  9º D